Medo do parto

 

[singlepic id=205 w=320 h=240 float=]

Um momento que deveria ser de alegria e celebração é, muitas vezes, afectado decisivamente por temores mais ou menos difusos e sentido de responsabilidade mal dirigido. Quem o diz é Emílio Santos Leal, para quem falta poder às mulheres e humildade aos profissionais de saúde.

 

Tem um discurso calmo, pausado, quase que a medir todas as palavras. Receio de ser mal entendido? «Não. Essencialmente, a necessidade de fazer passar abertamente uma mensagem que deveria ser, mas não é, clara», afirma Emílio Santos Leal, uma das mais reconhecidas vozes espanholas na área da humanização do nascimento.

 

Ao contrário de vários nomes conhecidos no campo da obstetrícia, afirma não acreditar que exista um efeito directo entre a indução do parto, a administração de analgesia epidural e um desfecho por cesariana. Porquê?
Em meu entender, o efeito dominó começa muito antes de ser administrada qualquer substância à mulher.

 

Então começa quando?
Tem início com a atitude paternalista do profissional, ou profissionais de saúde que atendem a grávida em trabalho de parto, que assumem o papel de salvadores, como se o que estivesse a ocorrer não fosse um processo absolutamente natural, mas uma coisa perigosíssima, da qual é preciso salvar a mulher e o seu bebé. Esta é uma postura altamente incómoda para toda a gente: para os profissionais – absolutamente inválidos pelo medo que sentem – e para a mulher, dividida entre a confiança que deposita e o medo que vê nos olhos de quem supostamente a vai preservar de todo o mal. Esta é, para mim, a primeira peça do dominó.

 

O medo?
Sim. O medo é o maior inimigo do parto entendido como um processo comandado pela Natureza. E o que leva ao medo? Os fenómenos de paternalismo.

 

Como assim?
O paternalismo é algo que, numa primeira análise, parece positivo. «Vou salvar-te e, graças a mim, tudo irá correr bem. Por isso, confia». Este é o tipo de discurso que os médicos passam para as mulheres, durante a gravidez e no momento do parto. Ora, este tipo de palavras parecem ser boas mas são também uma das peças do dominó. Porque inferiorizam a mulher e lhe dizem que é incapaz, onde quem actua é a Natureza e, se algo correr mal, trata-se da Natureza também em acção. Quando se plantam grãos de trigo, alguns germinam e crescem, mas outros não vingam. O mundo natural é assim mesmo.

 

A mulher sente então que não tem capacidade, por si própria, de fazer nascer o seu filho e daí o seu medo?
Certamente.

Gosta de realizar Eventos? Faça disso a Seu Emprego? Veja aqui como o pode fazer >

 

Mas, em seu entender, o temor alastra também aos profissionais de saúde. De que forma?
Enquanto médico, quando sou paternalista com alguém, sinto-me o seu salvador. Isso engrandece-me e agrada-me, mas pago um alto preço. E essa factura é o peso do encargo por todo o processo de parto e a ansiedade com a perspectiva de que algo possa correr mal, porque as responsabilidades vão ser-me pedidas. Os médicos pedem às mulheres que confiem neles, mas elas percebem rapidamente que quem afirma que as irá salvaguardar de todo o mal está cheio de medo.

 

Há então um círculo vicioso de medo, da mulher para o médico e deste para a mulher.
Certamente.

 

E como é que se consegue romper esse círculo vicioso?
Consegue-se de duas maneiras. Uma é deixar que a mulher se prepare para o parto, usando livremente o que a Natureza lhe deu. O corpo da mulher está construído para parir de forma natural e quando se permite que confie nos seus próprios instintos e ritmos estamos a criar um ser realizado e poderoso. Mas não é fácil conseguir isso porque é necessária uma preparação que combata o medo inculcado de forma social durante tanto tempo e, mais concretamente, desde que a mulher sabe que está grávida. E também porque todo este poder – independentemente de ser o melhor para a mãe e o bebé – é também uma ameaça.

 

Uma ameaça para quem?
Vou dar-lhe um exemplo. Um médico acaba a licenciatura, realiza o internato, escolhe uma especialidade – neste caso a Ginecologia e Obstetrícia – investe anos nessa especialidade, entra para um ‘clube’ onde, supostamente, está quem mais sabe, fica habilitado a tomar decisões e, de repente, depara com uma confrontação a todo esse poder. Como é que um ser humano normal reage? Lutando contra todas essas hipóteses de confrontação e nem sequer admitindo que haja quem tenha mais saber e mais importância do que ele, porque então será posto em causa todo o investimento anterior.

 

Ou seja, faltam mais exercícios de humildade…
Com certeza. Mas falta também preparar as pessoas para o facto de que, num conceito de parto em que é dada oportunidade à Natureza de entrar em acção, a responsabilidade do que pode acontecer não é do profissional de saúde. Trata-se de um processo natural, fisiológico, onde quem actua é a Natureza e, se algo correr mal, trata-se da Natureza também em acção. Quando se plantam grãos de trigo, alguns germinam e crescem, mas outros não vingam. O mundo natural é assim mesmo.

 

A preparação tem de incluir ferramentas a usar para quando as coisas não correm bem?
Essa possibilidade é angustiante mas estou convicto de que em cenários de parto com pouca intervenção, as catástrofes ocorrem com muito menos frequência que em meios de alta intervenção. O que significa que nos primeiros casos, o parto não é menos seguro, é mais seguro. É mais difícil resolver uma dificuldade num parto de baixa medicalização, mas essa dificuldade acontece com muito menos probabilidade. Mas há que saber que as catástrofes podem sempre ocorrer e toda a gente tem de estar preparada para a possibilidade de ocorrerem catástrofes

Via: Pais & Filhos

Mais coisinhas para crianças:


Comments

comments

Powered by Facebook Comments

2 thoughts on “Medo do parto

  1. oi
    gostaria de saber se vcs sabem qm é a mulher da foto deste post? existe uma pesoa fake q está usando essa foto indevidamente e estmaos buscando informações veridicas sobre as fotos q ela usa .
    aguardo retorno
    muito grata

  2. Oi Laura,

    lamento não poder ajudar mas não faço ideia de quem é a senhora da foto.

    Um abraço

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *